O cenário musical brasileiro, ora saturado de — aproveitando o jargão — novas vozes da música popular, ora pairando entre o anonimato e a genialidade, abre, aos poucos, espaço para a voz de Luisa Maita.

Ela, paulistana nascida no extremo da zona sul da capital, recebe ajuda do marido, Rodrigo Campos, quando o assunto é composição. Como dizem: duas cabeças pensam melhor do que uma. Nesse caso, duas cabeças produzem um som original, com letras pautadas na crua realidade urbana.

“Moleque se mandou atrás da rapariga/ Deixou Formiga no controle da favela/ Mas o diabo é que a donzela era do lar/ Já tinha dois barrigudinhos com Anescar.” São versos como esse que se distanciam das letras burguesas da bossa nova carioca e trazem uma a realidade das ruas em clipes com uma qualidade melódica e harmônica  impecável. A fotografia é um capítulo à parte.

Pra quem não for curtir a experiência ao vivo, dá pra ouvir um pouco em myspace.com/luisamaita. Recomendo.