Tenho que confessar: eu adoro quando alguém fala menas. Na maioria das vezes é por zuação, mas quando é sério gosto mais ainda. Nunca corrijo. Acho que num futuro não tão distante ela vai ser incorporada ao dicionário. Torço impacientemente para que seja logo — depois de extinguiram a trema podem fazer qualquer coisa que pra mim tanto faz.

De fato, provocar não faz mal a ninguém. E é isso que o Museu da Língua Portuguesa propõe com a exposição Menas, o certo do errado, o errado do certo, que tem como objetivo discutir as possibilidades da língua, que são muito maiores do que prevê a norma culta e as gramáticas.

O idéia é provocar. Segundo vários lingüistas (sim, vários!) não existe um único padrão do português. Como diz uma das frases da exposição “se alguém usou uma palavra, ela existe”. Então devemos falar em uso adequado ou inadequado — e não mais certo ou errado.

A exposição, como todas as suas precursoras, possui instalações interativas, como jogos de espelhos com palavras e jogos com perguntas sobre a língua, além de um grande painel com cem erros de português e suas explicações, exemplos de vários padrões da língua na literatura brasileira e vídeos explicativos.

A exposição “Menas” começou hoje (16) e vai até 27 de junho. O horário de funcionamento do Museu é das 10 às 17h, de terça a domingo.

Vi aqui.