Arquivos para posts com tag: poema

Pode o amor com sua falta
envolver-me em amarguras –
pode uma neurose obscura
cutucar-me, na psique, algo
que (e quem sabe?) não descubro –
pode haver doenças, desastres,
desquites, dívidas, desavenças –
pode ser que tudo mude
ou permaneça a mesma sem-graça
cotidiana existência estapafúrdia –
pode chover canivetes
ou estrôncio, que é mais chique –
pode haver quem não tenha tiques,
faça, impávido, bhakti-yoga:
o fato é que não me encanto
nem me espanto nem corro às léguas.
Fico quieto no meu canto.

E vão à pura merda ids e egos.

(Antônio Brasileiro, via Baú da Princesa)

Anúncios

PASSA UMA BORBOLETA

Passa uma borboleta por diante de mim
E pela primeira vez no Universo eu reparo
Que as borboletas não têm cor nem movimento,
Assim como as flores não têm perfume nem cor.
A cor é que tem cor nas asas da borboleta,
No movimento da borboleta o movimento é que se move,
O perfume é que tem perfume no perfume da flor.
A borboleta é apenas borboleta
E a flor é apenas flor.

(do “Guardador de Rebanhos” – Alberto Caeiro)